Pages

Thursday, August 18, 2005

O mistério espanhol

É com uma espécie de espanto que continuo a ver comentários deste estilo por parte de pessoas que deviam saber, na melhor das hipóteses, as razões que justificam o que dizem. Veja-se um dos últimos artigos de opinião de Sérgio Figueiredo, director do Jornal de Negócios.

Espanha está a funcionar

Que fique claro que concordo com a maior parte do artigo e o próprio Sérgio Figueiredo aponta várias coisas que destroem alguns “mitos” na sociedade portuguesa. Veja-se por exemplo o de que Espanha fecha os seus mercados.

Enfim, não é por acaso que a Espanha está como está e Portugal fica para trás. Os espanhóis estão a construir o futuro da energia e os portugueses olham para trás. A dinâmica espanhola capta investimentos estrangeiros, enquanto a demência lusitana os está a afastar.

Afinal quem é que fecha os mercados? Aconselho essas pessoas a observar melhor o que se passa no mercado espanhol. E, se certos empresários portugueses continuam a crer que foram colocados de fora do mercado espanhol, que entendam que o mercado espanhol é uma coisa competitiva ao contrário do português, que por sua vez se assemelha mais a uma coisa monopolizada (veja-se a energia, as telecomunicações e outros serviços). Logo, os seus serviços de qualidade inferior, que impingem aos portugueses sem que eles reclamem, (esta questão discutirei mais tarde) simplesmente não servem do outro lado da fronteira. É claro como água. Os espanhóis são mais exigentes. Por isso é que vivem melhor. Mas voltemos ao texto e àquilo que me deixou surpreso.

No referido artigo, Sérgio Figueiredo afirma o seguinte:

Este jornal foi o primeiro a criar uma secção fixa e diária sobre Espanha. A intenção era a mesma de todas as secções, de todas as notícias, de todas as linhas publicadas: informar. Colocar os portugueses mais a par dos factos mais relevantes que acontecem aqui ao lado. A secção existe. Mas com outro resultado indesejado. Deprime. Zapatero não é melhor que Sócrates. Mas Espanha está a funcionar.

Sérgio Figueiredo não faz, obviamente, um proselitismo do socialismo mas, no entanto, atreve-se a falar em personalidades socialistas e a compará-las. Implícito poderá estar o facto de que Zapatero é um liberal, ou seja, de que deseja manter uma economia de mercado. Zapatero, como todos os socialistas da época moderna (e também muitos governantes do passado) sabem os resultados das políticas económicas e o que é melhor para as pessoas. No entanto, defendem algo completamente oposto apenas com o intuito de aumentar o seu poder a custo dos outros. Zapatero ameaça com uma reforma fiscal que em Espanha faz tremer. Só Deus sabe (e talvez nem Ele, se existir) o que poderá vir a seguir. No entanto – e é neste ponto que falha Sérgio Figueiredo por omissão – Espanha funciona. E porque funciona Espanha? As razões são simples e explicadas apenas numa citação do antigo presidente do governo, José María Aznar.

“Cuando los gobiernos son austeros, las sociedades son prósperas.”

E aqui ficam algumas razões, explicadas pelos próprios economistas espanhóis na Libertad Digital, desse funcionamento da economia espanhola. Dessas razões destaco as que considero mais importantes:



“3º. El actual gobierno ha tenido la prudencia de no cambiar los fundamentos del éxito económico del PP: ha conservado los mismos impuestos, el mismo gasto público en relación al PIB, la misma legislación fiscal, mercantil y laboral, e incluso el mismo tamaño del sector público empresarial.


4º. Los tipos de interés tampoco se han modificado en este periodo. Los consumidores y empresas españolas disfrutan de los menores tipos de interés del área euro; son también menores que los de los países europeos que han conseguido librarse del euro –excepto Suecia–, como el Reino Unido y, por supuesto, son más bajos que en Estados Unidos y el resto del norte y sur de América. Sólo el estancado y deflacionado Japón nos supera, pero allí los bajos intereses son fruto de la depresión colectiva que atenaza a la población.


(…)


6º. Las empresas españolas establecidas siguen teniendo altos beneficios, como resultado de una serie de factores: la fortísima demanda interna, los años de crecimiento acumulados, los bajos costes financieros y la modernización que han llevado a cabo, que no se refleja en el aumento de la productividad, quizá porque la demanda interna se concentra en bienes y servicios no sofisticados, como viviendas y su amueblamiento, automóviles y todo tipo de bienes y servicios relacionados con el turismo. Y lo más avanzado se importa. Pero las empresas españolas establecidas consiguen altos márgenes de beneficios por la distribución y comercialización de todo tipo de bienes y servicios, nacionales e importados, de alta, baja y media tecnología.


7º. La globalización: que nos ha permitido disfrutar del crecimiento de la economía mundial desde hace años, pero especialmente a partir de 2002 y, en concreto en 2004, un año en el que el PIB mundial creció el 5%, sin el filtro tradicional de los países con los que más comerciamos. Es verdad que los países de la Unión Europea siguen significando el 70% de nuestro comercio exterior, pero también lo es que en un mundo globalizado todos los países se relacionan entre sí, además de a través de las uniones económicas regionales, como la Unión Europea. Vendemos a todo el mundo a través de nuestros principales socios comerciales e importamos de todo el mundo también por su intermediación. Por eso nos afecta poco el estancamiento de las principales economías europeas.”


Sérgio Figueiredo devia saber coisas como estas melhor do que ninguém – afinal foi ele quem teve o privilégio de entrevistar Aznar há poucos meses. Na altura pespegou-lhe com a pergunta típica, de mau gosto, relativamente à EDP e à Hidrocantábrico que ainda hoje fere as susceptibilidades portuguesas. O que as pessoas não compreendem é que Aznar estava a tentar proteger a liberdade do mercado e que, sendo assim, apenas há que respeitá-lo pela sua preocupação.


Contudo, algumas mentes portuguesas (nacional-)socialistas não se cansam de fazer observações julgando que tudo isto é uma questão de soberania autoritária e de hipocrisia daqueles que defendem a economia de mercado e depois o fecham, segundo esses mesmos críticos, quando lhes é apropriado. Apenas deixam transparecer que não compreendem a essência do que é o liberalismo já que defendem a existência de monopólios no seio da economia. A adicionar a estes que defendem o estatismo e a existência de monopólios (nem que sejam privados) juntam-se aqueles que não querem o MIBEL porque os concorrentes serão espanhóis. Ainda se queixam os portugueses de que são discriminados no estrangeiro. Há muita gente que devia olhar-se primeiro ao espelho antes de criticar os outros por actos de xenofobia.
Post a Comment