Pages

Saturday, April 22, 2017

"Uma campanha de ingerência do imperialismo". PCP reafirma solidariedade com regime venezuelano
Os dirigentes do PCP reiteraram esta quarta-feira o apoio do partido português ao regime venezuelano, denunciando aquilo que consideram ser uma "criminosa campanha de ingerência e de desestabilização do imperialismo e das forças da reação interna". "O PCP reafirma a solidariedade com a Revolução Bolivariana e o povo venezuelano" e mostra-se contra os ataques à "soberania e independência da República Bolivariana da Venezuela", lê-se em comunicado. Os comunistas portugueses condenam as "ameaças de intervenção militar do comando sul norte-americano, a manutenção pela Administração dos Estados Unidos da inaceitável ordem executiva de 2015 que considera a Venezuela uma 'ameaça incomum e extraordinária' e a "ingerência da OEA e do seu secretário-geral, Luis Almagro, procurando promover a ingerência externa".

A Organização de Estados Americanos (OEA) condenou esta quarta-feira a decisão do Governo venezuelano de entregar armas aos civis e pediu a Caracas que proteja o direito dos venezuelanos a defender a democracia e liberdade. (...) Antecipando o protesto dos opositores, o Presidente ordenou às (FAB) que se dispersem por todo o país e anunciou que aprovou um plano para aumentar para 500.000 os membros da Milícia Bolivariana que, armados, serão enviados "em defesa da moral, da honra, do compromisso com a pátria".
Como é que estes vermes apologistas de uma ideologia genocida ainda não foram ilegalizados em Portugal?

Saturday, February 11, 2017

le gouvernement qu'elle mérite

Portugal: Licenciados ganham em média 1.223 euros
De quem é a culpa? De acordo com o Expresso, os cortes salariais deveram-se especialmente à crise (chegada da troika a Portugal) que por consequência fez aumentar os impostos e criou também uma crise no mercado de trabalho.
A definição da recente crise financeira é agora a chegada da troika. Eles são basicamente um bando de hunos que invadiu o país, sequestrou o governo e aprovou as leis que quis. Se este tipo de interpretações não demonstra que uma grande fatia dos portugueses tem o governo que merece, não sei o que o poderia demonstrar.
Se continua a valer a pena estudar? Claro que sim, até porque “o conhecimento é a maior arma que temos para o futuro”.
Porque todos aqueles cursos em ciências da comunicação e relações internacionais são de uma empregabilidade incomensurável.