Pages

Thursday, August 11, 2005

Era uma vez um estudo da OTA

A notícia do dia até ao momento.

Mário Lino em artigo de opinião no Diário Económico
“Falta de informação sobre Ota e TGV é mentira descarada”

Segundo o PortugalDiário, encontra-se também o seguinte:

«OTA já tem estudo de impacto ambiental», diz ministro

A decisão de construir o novo aeroporto internacional na Ota está suportada por um estudo de impacto ambiental elaborado em 1999, afirma o ministro das Obras Públicas num artigo de opinião publicado esta quinta-feira no Diário Económico

Vamos por partes.

1. Mário Lino saiu da toca para sair em defesa do executivo e afirma que já há um estudo ambiental no qual se baseia o governo. Pois bem, antes eram 70 estudos, como eu já tinha referido através de uma ligação do PortugalDiário aqui. Agora já é só 1? Qualquer versado em aritmética de primária nota que há aqui um factor de x70 que é difícil de ocultar por artes mágicas.

Quem é o demagogo deturpador afinal, Sr. Mário Lino?

2. Um estudo ambiental. Onde raio é que já se viu uma obra da dimensão da OTA ser apoiada por um “estudo ambiental”? Vamos medir o impacto que isto tem no ambiente…se estiver em go state prosseguimos. Não faz mal que os portugueses não queiram (e questionem) ou que custe quase 9% (como refere o JN para TGV+ OTA) do orçamento do Estado. Afinal de contas o estudo ambiental diz que está tudo perfeito.

Quem é o demagogo deturpador afinal, Sr. Mário Lino?

3. A abrangência deste estudo de “impacto ambiental” surpreende-me. Chama-se estudo de impacto ambiental mas incrivelmente também é um estudo de impacto social, económico, de tráfego e de localizações alternativas! Um estudo tão completo realmente despensa os outros 69. Então para que foram feitos os outros 69? (se alguma vez foram feitos) – para diversão da administração pública e para ter mais uma desculpa para sobrecarregar as contas do Estado? Afinal de contas, não é o “Estado” que paga.

Quem é o demagogo deturpador afinal, Sr. Mário Lino?

4. O ministro refere que foram elaboradas, e passo a citar, “diversas audiências públicas e sessões de trabalho, foram distribuídos milhares de folhetos informativos e enviados relatórios e informações para numerosas entidades”. Pois bem, onde estão eles, então?

Quem é o demagogo deturpador afinal, Sr. Mário Lino?

5. Os documentos estiveram disponíveis no Instituto do Ambiente. Diz bem. Porque de momento a única coisa que responde a uma pesquisa por “OTA” é um documento chamado de “Regime Legal sobre a Poluição Sonora” que nada discute acerca dos parâmetros desta obra. E se o estudo existe mesmo porque não voltar a pô-lo? O governo dá a sensação de um rapazinho mimado. “Ah não viram quando eu o tinha lá, agora não mostro, não mostro e não mostro”.

Quem é o demagogo deturpador afinal, Sr. Mário Lino?

6. O argumento mais estúpido de todos. Citando:

(…) todos os argumentos «têm valido para se tentar manter o clima depressivo criado no país desde 2002 e para se lançar a dúvida na sociedade portuguesa e na sua ambição e capacidade para ultrapassar as actuais dificuldades» (…)


Pura demagogia, pura demagogia. Na sua visão do mundo se não aceitamos as decisões infundadas do Estado é porque não temos ambição e questionamos a capacidade de ultrapassar as nossas dificuldades. Então e que tal se propusermos retirar o seu ordenado e a sua reforma? A menos que diga que sim (o que muito duvido) também podemos dizer que é uma falta de ambição sua porque não quer permitir que os contribuintes tenham o direito de pagar menos impostos. Mas claro que não … seria falta de ambição nossa exigir tal coisa, não é verdade? As acções do Estado são sempre auto-justificáveis com esse argumento. O problema é que para aceitar isso temos que assumir que o Estado quer o que é melhor para nós, coisa que é muito difícil de ver ou sequer entender.

Quem é o demagogo deturpador afinal, Sr. Mário Lino?

7. Mário Lino refere a «insistente mistificação sobre a pretensa inexistência ou a pretensa falta de divulgação de dados e informações sobre os estudos que o Governo se fundamentou para avançar com o projecto do novo aeroporto». Tem provas em contrário? Não somos nós que as estamos a ocultar. É curioso (para não dizer pior) que o governo queira ESCONDER informação das pessoas.

Que digo eu? Afinal de contas não há nada para esconder.
Post a Comment