Pages

Tuesday, December 20, 2005

Ao cuidado dos Louçãs deste mundo

Quando há um acontecimento qualquer que possa ser condenável, sempre aparece um dirigente do Bloco de Esquerda, completamente indignado com o sucedido, como se os demais não o estivessem. Os vergonhosos acontecimentos de Abu Ghraib são um caso bastante ilustrativo. O mais extraordinário é que toda esta gente que repentimente se revolta, apontando uma clara violação dos direitos humanos, grita mais alto se o autor de tal atentado for um americano ou um inglês.

Há uma coisa que estas sábias e doutas personalidades ainda não entenderam. Criminosos há em todo o lado. O crime é algo que não se consegue eliminar apenas pela existência das leis. Se assim fosse, estas não teriam qualquer necessidade de existência. Surpreendentemente, estas notícias tornam-se num escândalo. Fazem capas de jornal por todo o mundo e mostram-se como notícias de abertura por telejornais em diversos países. Durante todos estes anos, não consigo recordar uma única vez que um jornal português tenha tido como 1ª página os crimes pútridos cometidos durante o regime de Saddam Hussein. Não consigo lembrar-me sequer de telejornal algum que tenha mencionado isso como peça de divulgação. A transmissão desta informação aos cidadãos fica ao cargo de uns poucos comentadores que estão melhor informados e julgam ser necessária a posse do conhecimento destes dados para daí retirar conclusões sensatas.

Para toda esta gente que mantém duplos critérios, fica uma notícia que não faz as capas de jornais porque não é relevante. Não abre telejornais porque não é um escândalo.

Maus tratos a prisioneiros iraquianos

Soldados norte-americanos condenados a penas de prisão


Cinco soldados norte-americanos confessaram-se culpados de maus tratos a detidos iraquianos e foram condenados a penas que vão de um a seis meses de prisão.

(...)

Dois dos militares confessaram a autoria de "crueldades e maus-tratos" e vão ser expulsos do exército, depois do cumprimento das respectivas penas.

"A Força Multinacional do Iraque encara muito seriamente as acusações de maus tratos. Cada uma das acusações é alvo de inquérito minucioso e medidas adequadas serão tomadas face aos resultados das investigações", garantiu o exército norte-americano em comunicado.


Aqueles que insistem, constantemente, em gritar a "invasão" ao Iraque fazem da constituição iraquiana uma efemeridade menor. Menosprezam o direito de voto adquirido. Auguram futuros desastres e catástrofes que se sucederão, colocando ainda mais a nu a hecatombe que foi a "invasão" do Iraque. Para essas pessoas, ainda sem compreender a diferença entre democracia e tirania pura, aqui fica uma frase de Tony Blair, proferida em Janeiro deste ano:

The difference between democracy and tyranny is not that in a democracy bad things don't happen. But that in a democracy, when they do happen, people are held and brought to account. And that it what is happening under our judicial system.

Post a Comment