Pages

Thursday, October 27, 2005

Eu, um verdadeiro neonazi fascista

Ao vaguear pela blogosfera, por vezes encontro coisas interessantes. Ontem encontrei um blogue salazarista. Depois de ter sido tantas vezes chamado de fascista e de salazarista fiquei de certa forma contente pelo subtítulo deste dito blogue.

Blog Salazarista - Temos uma Doutrina e Somos uma Força: Tudo pela Pátria, Nada contra a Pátria! Blog Anti-moderno, Anti-liberal, Anti-democrata, Anti-comunista, Contra-revolucionário,Conservador, Tradicionalista, Reaccionário, Intolerante e Intransigente!!

Esta pessoa é bem clara. É anti-liberal. Os salazaristas são anti-liberais. Em Portugal, como 99,9% das pessoas, assim que ouvem "Direita", pensam logo em Salazar, é muito fácil sermos facilmente etiquetados de fascistas ou então de neonazis.

Recordo pelo menos três situações recentes relativamente a isto. Numa delas estava a falar do regime comunista soviético quando o meu interlocutor me interrompe para dizer algo como Heil Hitler. Fiquei a pensar se teria ouvido bem. Depois de perceber que tinha sido mesmo um Heil, apenas lhe disse que estava enganado. Eu não era socialista. Estalou a confusão e tive que explicar (talvez pela centésima vez a pessoas diferentes) as diferenças básicas entre os regimes políticos.

Outra das vezes foi quando critiquei o investimento estatal em obras públicas. Mal explico que não concordo com a monopolização nem com a participação estatal no sector energético, sou logo presenteado com um bela frase ao estilo Que horror, és mesmo nazi! Toca a explicar tudo outra vez.

A terceira vez foi quando apontei, relativamente ao famoso Arrastão da praia de Carcavelos, que estava do lado das pessoas roubadas e que, embora achasse que a polícia tinha exagerado nos relatos, também achava que a Diana Andringa tinha uma boa dose de militância (que ela própria afirmava) no documentário que realizou, relativizando, novamente, a questão racial com aquela tendência socialista tão típica de formar grupos sociais em vez de se preocupar com os indivíduos em si. Bem, isto bastou para que me fosse dito que eu de certeza tinha participado na manifestação organizada pelo PNR no Martim Moniz e que certamente amava George Bush. Bela demonstração de ignorância, pensei eu.

Tudo isto teria pouco sentido, não fossem as confusões (induzidas pela propaganda) que as pessoas fazem, acabando mesmo por insultar aquilo em que acreditamos. É preciso levá-las, passo a passo, a compreender que não defendemos este e aquele regime político. Na mente desta gente o liberalismo não existe como ideologia singular, passando a existir, depois dos esclarecimentos, como uma ideologia da negação das outras ideologias. A ignorância das pessoas faz com que várias me tenham perguntado, extremamente irritadas, "mas tu não és fascista, não és comunista, então és o quê?"
Post a Comment