Pages

Tuesday, September 12, 2006

Deadlock

Galvanizadas pela crescente onda de especulação em torno dos ataques de 11 de Setembro, as teorias da conspiração sobre o que realmente ocorreu nesse dia fatídico ganham, a cada dia que passa, novos adeptos e mais fervorosos pseudo-investigadores que conseguem descortinar mais um pormenor sombrio que aparenta provar, irrefutavelmente, que a destruição das torres gémeas não foi somente obra da Al-Qaeda (se o foi de tudo obra da Al-Qaeda, caso exista) e que também terá contado com a conivência do governo americano (se apenas conivência) ou, provavelmente, orquestração judaica de forma a ganhar um pretexto para obrigar o estado americano a organizar ofensivas à escala global contra o mundo islâmico.

Todos nós, simples homens comuns, teríamos simpatia e apreço por estas almas caridosas que se dispõem voluntariamente a iluminar-nos, se elas conseguissem, de facto, provar algo de palpável.

O único problema é que qualquer teoria da conspiração tem valor porque atribui inerentemente validade a si mesma, pela própria forma como se caracteriza. Uma vez que esta não pode ser falsificada com dados que não se possuem ou confirmada por qualquer tipo de evidência, esse mecanismo funciona como argumento para os defensores destas teorias, demonstrando que a teoria consensualmente aceite omite algo, e fazendo com que a sua especulação adquira uma certa legitimidade. O exemplo típico é a ida à lua em 1969. Há quem diga que os americanos nunca lá estiveram mas não podem provar tal coisa por razões evidentes - ninguém estava na lua quando as missões Apollo lá chegaram e mesmo que lá estivessem, a validade das suas provas seria seriamente colocada em causa. Da mesma forma, os americanos nunca conseguem provar que lá estiveram porque por mais fotos, vídeos ou amostras de rochas lunares que os dirigentes dos programas aeroespaciais disponham ao escrutínio público, os autores destas teorias continuarão a reclamar que os vídeos foram produzidos num estúdio de cinema, as fotos são provenientes de cruzamento de imagens de satélite com solos do deserto, os saltinhos dos astronautas são montagens feitas em voos parabólicos e que só o mero facto de a NASA se preocupar com demonstrar que lá esteve realmente, mostra que há alguma insegurança e indica que para tentarem provar a veracidade das suas reclamações necessitam destas conferências de imprensa.

É assim que uma teoria literalmente lunática ganha, de imediato, credibilidade. Qualquer um de nós pode afirmar que havia um plano secreto da CIA e do Mossad para destruir o WTC e o Pentágono porque nenhum de nós tem acesso a um documento que afirme claramente que a suposta existência deste plano não passa de uma fraude. E se esse documento existisse, seria obviamente suspeito. Qual seria o significado de um documento que declarasse que uma conspiração não existia, certificado pela entidade que é acusada de a pôr em prática? Minimamente intrigante e enigmático. Nunca pode existir um documento que prove que a conspiração não existia, o que perpetua a ideia de que a teoria se mantém válida até prova em contrário, prova essa que nunca pode existir e que apenas serviria para reforçar a teoria inicial.

As teorias da conspiração não são, por definição, falsificáveis nem seguem o princípio segundo o qual a explicação mais simples, lógica, óbvia e coerente é provavelmente a correcta, de acordo com as informações disponíveis. Para as provar como erradas, exigem necessariamente um mundo de 100% de certezas e de acesso a toda a informação de sistemas complexos que é impossível de reunir no mundo real, no qual não se tem possibilidade alguma de regressar ao passado. Qualquer teoria histórica sobre um acontecimento acarreta um determinado nível de incerteza e qualquer pessoa pode jogar com isso para benefício próprio da sua imaginação fértil. Será que Viriato existiu ou é meramente uma obra de ficção criada pelos romanos? Será que Bush existe? Já há alguém o viu ao vivo por acaso? De que vale criticar uma pessoa que não sabemos se existe e que alguns até acusam de ser um extraterrestre?
Post a Comment