Pages

Monday, August 13, 2007

Pseudodepressões na vida de um pseudoblogger

Descobri há minutos que o desenho deste blogue tinha a barra lateral totalmente deslocada quando visto no Internet Explorer. O problema, aparentemente, era um ominoso < /div > extra neste vídeo da Festa do Avante, que geralmente uso para centrar os vídeos que publico. Dado que uso maioritariamente o Firefox - e o Opera de vez em quando - e o erro era aparentemente exclusivo ao IE, só agora me dei conta.

Qual é a razão desta entrada? Aquele vídeo da Festa do Avante está ali desde Janeiro, há uns 8 meses, portanto. Até agora, ninguém me tinha dito nada sobre o problema, mesmo quando por aqui se pratica uma política de comentários abertos. Sei que tenho descurado a actualização deste espaço, mas assim de imediato, há umas dez hipóteses que vale a pena considerar:

1. Ninguém realmente lê este blogue. A maior parte das visitas registadas nos contadores aparecem através de motores de pesquisa, ligações arcaicas que foram roídas por traças ou web crawlers. Os comentários que aqui aparecem não passam de spam elaborado por bots triviais que, da minha humilde perspectiva (há quem defenda que nem sequer passo o teste do espelho), desafiam o teste de Turing. E, ainda por cima, respondo-lhes. Não sei se é possível tornar esta hipótese mais solipsista. Talvez perguntar retoricamente se a posso tornar mais solipsista a quem supostamente não existe.

2. Algum pirata informático, ansoc pseudointelectual de meia-tigela, resolveu fazer uma piadinha e meteu uma tag de html no sítio apropriado para o efeito. Se for este o caso, o tiro saiu pela culatra - ninguém lê este blogue! Ha! Bite my shiny metal ass!

3. Todos os meus visitantes - assumindo a sua existência material - aparecem por aqui utilizando navegadores de gente civilizada e com gostos requintados. Eu já tinha dito que a skin que estou a usar no Firefox é Dolce & Gabbana? É f-a-b-u-l-o-t-s-a. Agora só me faltsam uns cortsinados a condizer, aquele amarelo casca de ovo estraga o Feng shui todo.

4. Os meus leitores são uns verdadeiros literati tecnológicos, uns connoiseurs praticamente biónicos, e, em vez de usarem coisas antiquadas e obsoletas como inserir o URL ou clicar num favorito do respectivo navegador, usam um leitor de RSS ou formato equivalente. Ou talvez usem NoScript. Só falta saber quantos ficam quando se descontarem os 300 serviços que registam as feeds para as actualizar de imediato (como se alguém morresse por ler um blogue 3 femtossegundos mais tarde). A acreditar no que diz o feedburner, o número andará mais perto de menos infinito do que de 0. Acho que qualquer dia passo a minha feed para o plano imaginário, ao menos só tenho desilusões se alguém decidir crescer e multiplicar-se por si mesmo.

5. Webdesign é para meninas. Leitores de blogues a sério, como qualquer programador anarquista, não querem saber; o que importa é o conteúdo e a elegância intrínseca do código, não a forma e outros aspectos laterais. Quanto menos formatação e funcionalidades tiver um blogue, melhor. Morte ao CSS e a essas modernices amaricadas do XHTML. Lynx all the way, baby!

6. Eu tomei qualquer coisa que não devia (ou se calhar esqueci-me de tomar quando devia) e isto nunca aconteceu. Talvez nem sequer exista. Aquela do shiny metal ass deixou-me na dúvida.

7. O comunismo é fenomenal e afinal estava correcto. Traz caipirinhas e operações de substituição de córneas grátis a toda a gente, doutoramentos em heliofísica aos varredores de ruas e empregadas domésticas. Ninguém precisa de trabalhar e são todos felizes porque têm tudo o que querem, independentemente das leis da termodinâmica. Os homens têm um direito adquirido a dar à luz e as mulheres não são obrigadas a obedecer a preconceitos sociais tradicionalistas e reaccionários como a impossibilidade física de não poderem fazer doaçoes de esperma. Como tal, e porque o comunismo é tão bom, independentemente do referencial de inércia, que é um sacrilégio gozar com ele, Deus, o Supremo Fascista, está a castigar-me por ter gozado com os frequentadores da festa do avante. E por ter feito uma piada sobre estatística, que o SF não gosta de estatística. Isso do acaso soa ligeiramente pouco determinista para um Deus omnipotente.

8. Os meus leitores são todos ricos (é do conhecimento geral que só os ricos podem ser capitalistas) e estão todos de férias desde 2006. Ou talvez o meu único leitor fosse algum professor universitário de filosofia analítica no Burkina Faso que entrou em licença sabática. Quem sabe.

9. Grande parte das pessoas que vêm aqui parar através do google, dado que este, para sorte minha e mal dos pecados dos viciados em procurar coisas na net, não selecciona os conteúdos da sua base de dados consoante a sua qualidade, vêem textos como este e 1) não percebem nada, referências culturais obscuras incluídas ou 2) ficam a pensar que eu tenho algum problema na cabeça. Para essas pessoas totalmente ignorantes e mentecaptas, só tenho uma coisa a dizer: violencelo não parafina o tem chuva grande.

10. Os meus leitores são tão analfabetos que nem conseguem escrever o endereço do meu blogue. Isto funciona tipo selecção natural. Os que não conseguem, obviamente não lêem e não aprendem mais. Esta ocorrência demonstra o grande problema, estilo catch 22, das sociedades actuais e o desafio, pelo qual todos somos responsáveis, de proporcionar uma educação adequada e igualdade de oportunidades. É importante que todos tanham aceço a uma educação que lhes possa no mássimo aprender a ler e a esquerver.
Post a Comment